Foto cedida por Alessandro Abdala

domingo, 2 de dezembro de 2012


Manhumirim em Novembro

Entre um passarinho e outro...

O feriado de Finados foi bem molhado lá para os lados de Manhumirim, como já comentei no post “Sítio com Equipamento Novo”. Talvez por isso mesmo, os passarinhos estavam lotando o restaurante do quintal da D. Ruth. Coleirinho, baiano, papa-arroz, sanhaço, saíra, rolinha e o sempre presente canarinho assanhado eram presença constante.

Sporophila caerulescens - Coleirinho




Sporophila nigricollis - Baiano

Sporophila ardesiaca - Papa-capim-de-costas-cinzas, ou papa-arroz
Columbina talpacoti - Rolinha
Sicalis flaveola - Canarinho assanhado
Estranhei o sabiá-barranqueiro não ter dado o ar da graça, embora o laranjeira tenha aparecido para pegar umas minhocas no canteiro. Outro que estava meio arredio era o rabo-branco-acanelado, talvez porque, desde que os camarões que plantei floriram para valer, um beija-flor-de-peito-azul apareceu por lá e parece ter tomado conta do pedaço. Até que não é brigão, mas parece que sua simples presença fez com que o acanelado ficasse meio tímido. 

Turdus rufiventris - Sabiá-laranjeira

Amazilia lactea - Beija-flor-de-peito-azul

Phaethornis pretrei - Rabo-branco-acanelado - Observem a curva das asas
Os tizis, que eram presença constante e em grande número lá pela década de 70, hoje, com a eliminação do capim nos fundos de quintal, aparecem sozinhos ou aos pares, meio que perdidos e, estranhamente, muito ariscos, assustando-se até com o barulho do disparo da câmera.
Algumas espécies quase não aparecem mais. Não sei se pela falta de constância no fornecimento de bananas ou se é pela alteração no ambiente, com a desnecessária e desastrada canalização do pequeno córrego que havia no fundo do quintal. O cháu-preto ainda dá para ouvir ao longe, os sanhaços-verdes não dão nenhum sinal, o mesmo acontece com o saí-canário, e até mesmo a cambacica desapareceu.
No dia 24 voltei a Manhumirim, para minha surpresa, os papa-capins ainda estavam no quintal da D. Ruth, em número bem menor é verdade, mas bastantes. Como havia chovido bem no início do mês achei que já teriam sumido, pois depois das primeiras chuvas eles vão procurar parceiros e estabelecer territórios para começar a se reproduzir. Aparentemente ainda estão esperando o capim crescer um pouco mais para já estar com sementes quando os filhotes nascerem. 

 





Junto com eles apareceram alguns visitantes esporádicos, uma fêmea de dó-ré-mi e outra de godero.

Chrysomus ruficapillus - Dó-ré-mi


Molothrus bonariensis - Godero
Uma juriti-pupu linda, que há muito eu achava que ouvia cantando, mas por estar bem inserida na malha urbana eu duvidava existir de verdade, resolveu aparecer para comer um pouco de canjiquinha e me deixar encantado.

Leptotila verreauxi - Juriti-pupu


Os canarinhos e o beija-flor-de-peito-azul também estavam lá, proporcionando boas fotos.



Como sempre, fico encasquetado com a variedade de cores dos papa-capins, os coleirinhos vêm vestidos de todo jeito, preto e branco, oliva e creme, ambos com bico prateado, e cinza com bico amarelo (que ficou sem foto)

 


Os baianos e os “de-costas-cinzas”, que resolveram separar em duas espécies diferentes, também se apresentam de oliva e creme e de black-tie, respectivamente. 


 
 As fêmeas e os jovens me surpreenderam este ano por seu número. Geralmente aparecem em quantidade bem menor que os machos adultos. De novo, o atraso no início das chuvas deve ser o motivo.





11 comentários:

  1. Daniel, transcorrer os seus "causos" é uma diversão! Parabéns! A qualidade de suas fotos saltou de trampolim! A 1ª foto do coleirinha e a do chapinha na calha do telhado, para mim, ficaram espetaculares! Abraços, Gustavo Pedersoli

    ResponderExcluir
  2. Como disse o Gustavo esse "causo" está demais. Suas fotos com o novo equipamento ficaram muito boas, parabéns. Abraços Rodolfo

    ResponderExcluir
  3. Daniel, que maravilha esse novo post. Gostei muito do text o das fotos, especialmente as dos coleiros e baianos, quanta diversidade! Parabéns ;).

    ResponderExcluir
  4. João Sérgio Barros3 de dezembro de 2012 18:08

    Daniel, muito legal seu relato, e obrigado por me apresentar o dó-ré-mi, desconhecia esta sp.

    ResponderExcluir
  5. Daniel , agora com a ferramenta adequada vai poder mostar todo o seu talento fotográfico. Parabéns mais uma vez pelo Blog e pelas fotos! Vai ajuntando os textos ai para depois editar o livro.. Grande abraço! Gustavo Murta

    ResponderExcluir
  6. Ô Daniel,

    Mais uma vez você capturou lindos pássaros. Parabéns pelas fotos, realmente encantadoras. Apenas estranhei a ausência de "bigodinhos" na fauna alada do quintal de dona Ruth. No Sul de Minas eles são uma presença numerosa nessa época do ano. Mas os coleirinhos e papa-capins de sua coleção são uma festa, Parabéns.

    Nilseu

    ResponderExcluir
  7. Mauricio Tadeu Borela Espeschit4 de dezembro de 2012 10:03

    Parabéns, Dani!
    Talento, equipamento e cenário: resultado 10!
    Tive o privilégio de frequentar o quintal da tia Ruth durante vários anos e é muito bom saber que a passarinhada continua firme por lá!
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Amigos,
    Muito obrigado. O incentivo de vocês é o seu azar, vou continuar postando essas estorinhas...
    João Sérgio, o dó-ré-mi é o garibaldi, lá para os meus lados a gente chama ele assim. De vez em quando aparece um para comer cajiquinha.
    Nilseu, infelizmente, nunca vi os bigodinhos, que chamamos de estrelinhas, lá em Manhumirim. Acho que não temos a sorte de passarem por lá.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Daniel, a foto PB do coleirinho ficou digna de quadro!

    Perfeita!

    ResponderExcluir