Foto cedida por Alessandro Abdala

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Março e Abril de 2013

Depois de uma longa ausência devido a muito serviço, muitas viagens e o famoso bloqueio de escritor (se é que posso usar essa expressão), volto com uma coletânea de fotos feitas nos meses de março e abril.
Vamos direto às fotos que são o que interessa.
Em dia de combatente na Pampulha, todo o resto até parece desimportante, mas os danados dos bichos são um imã, não consigo passar batido. Segue uma pequena seleção.
O colhereiro perdeu momentaneamente seu lugar de destaque na lagoa, mas continua sendo uma visão impressionante.

O carão, elegante em sua simplicidade, está sempre por lá, dando mole.

O curutié passaria quase desapercebido, não fosse seu dueto áspero, que pode ser escutado o ano inteiro na lagoa.

Um joão-de-barro preguiçoso descansava sobre sua casa já pronta.

Entre outros mais conhecidos, para se ter uma idéia de seu porte, eis o destaque do ano, o combatente. 

Esse bichinho havia sido observado no Brasil apenas uma única vez, em 1985, no Rio Grande do Sul. Sua descoberta em Belo Horizonte pelo biólogo Daniel Dias foi um acontecimento ornitológico de grande importância, inclusive para a luta que estamos travando para manutenção da lâmina d'água rasa em parte da Lagoa da Pampulha.

Nessa plumagem não se dá nada por ele. No entanto, quando chega sua época de reprodução no hemisfério norte, transforma-se completamente, adquire um espetacular colar de penas e luta ferozmente em defesa de um pequeno território em que tenta conquistar as fêmeas.
Vejam um vídeo em: Display do combatente
Aí estão os dois indivíduos que nos visitaram este ano.

Mais  uma dele para fechar.

No início de março, em Martins Soares, a caminho do sítio, encontrei esse belo bentevizinho-de-asa-ferrugínea que, distraído, mostrou parte do seu topete amarelo.

Estava assentado no meu banquinho, debaixo de uma coberta, esperando a chuva passar e de repente ouço bem perto, logo acima da minha cabeça, um canto muito conhecido, daqueles de arrepiar. Olha ele aí! Pela primeira vez se aproximou o suficiente para uma foto melhorzinha. Lindo curió. Logo voou, fazendo pausas rápidas para cantar em outras 4 árvores, fazendo a ronda e demarcando seu território. Ganhei o dia.

Olha só que belezinha de andorinha-serradora, dando sopa no mourão, logo na saída da cidade de Manhumirim, a caminho do Parque Sagui da Serra.

Logo depois encontrei esse lindo casal de quiriquiris.

Dentro do parque encontrei vários conhecidos e consegui melhorar um pouco meu registro desse arapaçu-verde.

Voltando para a cidade, para minha grande alegria, encontrei outro curió, a mais ou menos 15 km de distância daquele lá de trás. Parece que estão realmente retornando e o pessoal está deixando-os em paz.

Essa corujinha-buraqueira já havia me encarado quando passei a caminho do parque. Ficou realmente invocada quando parei o carro para uma foto.

Na antiga linha férrea que ligava Manhumirim a Manhuaçu, acrescentei vários registros novos à minha lista de Manhumirim. Entre eles estava esse flamenguinho, todo animado soltando a voz extemporaneamente.

Na volta para Belo Horizonte tornei a encontrar um dos gaviões-de-rabo-branco que moram no alto da "Serra do Nove", em São Domingos do Prata. Uma beleza de rapinante.

Depois de uma visita a Santo Antônio do Monte, terra de grandes amigos da ECOAVIS e que será objeto de uma publicação à parte, no início de abril voltei a  Manhumirim e à antiga estrada de ferro e me deparei com 4 araçaris-de-bico-branco. Estavam se fartando de sementes de embaúba e finalmente pude fazer algumas fotos decentes deles.

Uma marreca pé-vermelho veio se despedir de mim e me despachar para a Iracambi, que é outra estória que contarei em outra publicação.


Até a próxima.

24 comentários:

  1. Que coruja mais linda! Adorei ter notícias do curió!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sabia que a corujinha ia ser a estrela. Todo mundo gosta de corujas. Beijo.

      Excluir
  2. Stunning photography, Daniel!
    I especially love the owl !

    ResponderExcluir
  3. Thanks Annette.
    The Burrowing Owl is a charmer, isn't she?

    ResponderExcluir
  4. Daniel,

    impressionante como suas fotos melhoram a cada dia...

    Muito bom!

    Abração,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Eduardo. Obrigado.
      A gente vai aprendendo a usar o equipamento e as coisas começam a dar certo. O diabo são as recaídas...

      Excluir
  5. Daniel, seu blog está espetacular.
    As fotos estão maravilhosas e sua ótima narrativa já é conhecida e esperada por todos nós.
    Grande abraço e parabens.

    ResponderExcluir
  6. Caro Daniel,este seu blog está show de bola. As fotos estão muito bem tiradas. Belíssimas. Parabéns!
    Marco Souza

    ResponderExcluir
  7. Puxa Daniel, tá difícil escolher uma das fotos. Todas lindas! Mas, eu gosto muito de fotos com jogo de sombras e luzes. Este tipo me atrai muito. Assim, as fotos com reflexos, são as melhores, na minha opinião! Muito belas! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carlos Rodrigues.
      A água nos dá muitas oportunidades de enfeitar as fotos não é mesmo?
      Eu também gosto muito de reflexos.

      Excluir
  8. De arrepiar.Lindas imagens de lindas aves.Não sei se é pela minha paixão por essas criaturinhas, mas tá tudo encantador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rose.
      São essas criaturinhas que merecem os cumprimentos, pois enfeitam qualquer foto.

      Excluir
  9. Daniel, as fotos ficaram lindas, e seus relatos de certa forma nos levam ao ambiente em que cada foto foi feita. Estava com saudade de suas histórias :).

    Vou comentar, com atenção especial, algumas fotos... (1) combatente próximo às tringas e paturi-preta: ficou didática para comparação da plumagem do combatente x tringas e do tamanho do combatente x paturi; (2) curiós: devem ter sido momentos inesquecíveis, e a segunda foto ficou show! (3) coruja-buraqueira: que nitidez! (4) polícia-ingleza-do-sul e araçari: surpresas mais do que agradáveis, encontrar essas belezas onde menos se espera.

    Grande abraço e parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Ricardo, obrigado.
      Encontrar os curiós foi realmente uma alegria enorme.
      Engraçado é que o segundo curió eu vi de dentro do carro, já voltando e com um pouco de pressa, e pensei: "tem um tizu lá no alto daquela árvore seca". Aí parei: "Pera aí? Tiziu no alto de árvore? Deixa eu voltar." Dejá vu.
      Abraço.

      Excluir
  10. Daniel, adorei seu blog! O texto é delicioso e as fotos lindíssimas. Parabéns! Aguardo o próximo post!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Natália, por suas palavras tão gentis.

      Excluir
  11. João Sérgio Barros24 de maio de 2013 18:20

    Daniel, massa demais! Encontrar o curió voando livre por aí é pra lá de bão, né?
    Abração
    joao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, João, bão demais. Ainda por cima serem dois. Fica a dúvida: quantos serão?
      Abraço.

      Excluir
  12. Caramba Daniel suas fotos estão cada dia melhores, Parabéns.

    Rodolfo

    ResponderExcluir